fbpx
Trabalhe Conosco
Imagem Destacada

Qualidade da água para unidades de Transplante de Medula Óssea (TMO), o que você precisa saber?

O Transplante de Medula Óssea (TMO) é uma alternativa para o tratamento de várias doenças hematológicas, oncológicas e imunológicas. Uma das principais complicações que podem ocorrer com os pacientes que são submetidos ao TMO são as infecções adquiridas no ambiente hospitalar, como reflexo do tratamento aplicado, os pacientes ficam mais suscetíveis a infecções.

Por isso, ambientes de atendimento à saúde de pessoas imunocomprometidas devem fornecer padrões mais elevados para a qualidade da água tomando medidas preventivas visando a diminuição de casos de Infecção Hospitalares.

No artigo desta semana, vamos falar:

  • como pode ocorrer contaminações desses pacientes pela água e;
  • como programas de gerenciamento de água para hospitais ajudam a fornecer uma água mais segura para as unidades de Transplante de Medula Óssea (TMO). 

Como pode ocorrer a contaminação de pacientes através da água? 

Hoje os principais parâmetros microbiológicos considerados pela legislação brasileira  são os Coliformes Totais e Escherichia coli. Assim, a água liberada para consumo pode ter a presença de outros microrganismos como a Pseudomonas aeruginosa e a Legionella pneumophila que geralmente não causam doenças, mas em pessoas com imunidade baixa podem causar infecções graves.

Outro problema relacionado à presença desses microrganismos é a formação de colônias chamadas de biofilmes que podem ser encontradas em  caixas d’água, nas paredes de canos e tubulações, até as torneiras de qualquer edificação. 

Imagem de um arejador de torneira de uma unidade que presta assistência à saúde. 
Fonte: Water hygiene and safety – A practical approach to ensuring safe water, 2012

Dessa forma, esses microrganismos podem contaminar os pacientes de um hospital, através de atividades cotidianas, como a lavagem do rosto, das mãos, no banho, na escovação dos dentes e enxágue da boca.

Quais cuidados devemos ter com a água para unidades de Transplante de Medula Óssea (TMO)? 

O ideal é que o hospital realize um programa de gerenciamento de água, como o programa água segura para hospitais da Microambiental, com o intuito de identificar tanto os principais pontos críticos no sistema quanto as ações corretivas que podem minimizar o crescimento e a disseminação de microrganismos potencialmente patogênicos transmitidos pela água. 

Abaixo listamos algumas medidas para ajudar no monitoramento da qualidade da água para unidades de Transplate de Medula Óssea (TMO):

Realizar análises de água: as análises são o primeiro passo para medidas corretivas e garantem que a água é segura para consumo. Desse modo, recomendamos a realização de um cronograma com análises mensais considerando pontos em que a água fica estagnada ou áreas com uso infrequente, bem como a suscetibilidade dos ocupantes aos riscos de exposição. 

Além disso, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos recomenda que os hospitais com programas de trasplante de células-tronco hematopoéticas, realizar análises periódica para L. pneumophila no reservatório de água potável e no sistema de abastecimento dessas unidades de transplante. Converse com um especialista e realize a atualização do seu escopo de análises de água se necessário;

Utilizar sistemas inteligentes de dosagem de cloro que apresentam leitores que medem constantemente  a concentração de cloro livre na água e assim mandam comandos para as bombas iniciarem ou interromperem a dosagem de cloro. Esses sistemas são os mais adequados para o setor de saúde que precisam do ajuste mais fino dessas concentrações. 

Realize a  limpeza de caixa d’água e higienização de reservatórios na periodicidade recomendada para remover partículas e incrustações nas superfícies internas dos reservatórios. Além disso, é importante optar por empresas que utilizam tecnologias que removam os Biofilmes. Para isso, pergunte se o método aplicado retira as incrustações inorgânicas metálicas e a matriz polimérica extracelular do biofilme ou apenas utiliza o cloro como agente sanitizante no processo. 

Limpeza e desinfecção de chuveiros, torneiras, bebedouros entre outros locais, para evitar o desenvolvimento de microrganismos que podem infectar o ser humano através do seu consumo de água, contato com a pele ou por gotículas inaladas.

A MICROAMBIENTAL POSSUI O PROGRAMA ÁGUA SEGURA ATENDE AS NECESSIDADES DO SEU HOSPITAL

A Microambiental é uma empresa com mais de 20 anos de experiência em controle microbiológico. Dispomos de soluções completas para identificar, combater e monitorar o desenvolvimento de biofilmes. A partir da combinação de serviços complementares, a Microambiental consegue montar programas que garantem a saúde dos sistemas de água. 





POSTS RELACIONADOS

Precisa de ajuda? Converse Conosco