fbpx
Trabalhe Conosco
Imagem Destacada

Fusarium: o que é, presença na água potável e medidas de controle

O Fusarium é um gênero de fungo oportunista que pode ser encontrado em diversos ambientes, inclusive nos sistemas de água potável. Apesar dos processos de filtração e a adição de cloro para produção de água potável contribuírem para uma menor carga de fungos, algumas espécies permanecem presentes na água, estabelecendo posteriormente biofilmes que persistem nos sistemas de distribuição.

No artigo desta semana, vamos falar sobre:

  • os problemas que a presença de Fusarium podem ocasionar nos sistemas de água potável;
  • as dificuldades de monitoramento e;
  • quais medidas de controle que podem ajudar a evitar Fusarium no sistemas

Quais problemas a presença de Fusarium na água potável pode causar? 

Os fungos podem crescer em biofilmes nos sistemas de água potável afetando no seu sabor, odor e interferindo no processo de cloração, devido à liberação de metabólitos secundários. Na tabela abaixo,  resumimos alguns efeitos causados pelo gênero Fusarium a saúde humana: 

Fusarium:Infecções locais ou sistêmicasCompostos AlergênicosProdução de micotoxinas
F. oxysporum
F. solani
infecções disseminadas, ceratite, infecções de pele e unhasProduzProduz
Tabela adaptada do artigo de revisão: Babič MN, Gunde-Cimerman N, Vargha M, Tischner Z, Magyar D, Veríssimo C, Sabino R, Viegas C, Meyer W, Brandão J. Fungal Contaminants in Drinking Water Regulation? A Tale of Ecology, Exposure, Purification and Clinical Relevance. Vale ressaltar que o estudo original foi realizado com os fungos mais comuns isolados de diferentes fontes de água na Europa, reconhecidos como agentes causadores de infecções oportunistas e outros efeitos para a saúde humana.

Alguns deste metabólitos secundários são tóxicos para os animais e podem representar risco para a saúde humana em concentrações mais elevadas ou em tempo prolongado de exposição. Não apenas metabólitos secundários, mas também componentes da parede celular e a própria carga fúngica podem contribuir para o surgimento de alergias e outras infecções oportunistas, principalmente em indivíduos imunocomprometidos.

Infecções Hospitalares e a presença de Fusarium na água potável: 

Nas últimas duas décadas, o número crescente de pacientes imunocomprometidos levou a um aumento de casos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) por patógenos fúngicos oportunistas.

Os fungos podem entrar no ambiente hospitalar e podem sobreviver e proliferar, especialmente em áreas úmidas e não estéreis. É de preocupação especial a exposição de pessoas imunocomprometidas a fungos transmitidos pela água em unidades de hemodiálise e unidades de terapia intensiva. Segundo Brown, G.D. et al., 2012, as infecções fúngicas invasivas graves apresentam uma elevada taxa de mortalidade, estima-se entre 50% e 100%, dependendo da espécie envolvida. 

Neste aspecto as espécies de Fusarium são de grande preocupação no controle de infecções hospitalares, pois causam um amplo espectro de infecções em humanos, incluindo doenças superficiais e localmente invasivas. Além disso, Fusarium também é um dos agentes etiológicos mais comuns de úlceras fúngicas da córnea.

Fusarium e as dificuldades de monitoramento:

Embora os fungos estejam se tornando reconhecidos como agentes causadores de infecções respiratórias, mucosas,  cutâneas e subcutâneas, eles ainda não fazem parte dos parâmetros microbiológicos exigidos nas regulamentações de qualidade e consumo de água.

Além disso, sabemos que os métodos de produção de água potável (coagulação, floculação, decantação, filtração e desinfecção) têm diferentes efeitos sobre os microrganismos e podem ser usados ​​contra eles com diferentes graus de eficiência. Os dados disponíveis geralmente cobrem vários microrganismos que causam doenças entéricas, mas nenhum fungo. 

Segundo os estudos conduzidos por Niemi, R. M., Knuth, S., & Lundström, K. (1982) foi demonstrado que a filtração com areia pode remover entre 8% e 90% dos fungos, o processo de coagulação 54% e o processo de sedimentação 70%, nenhum remove 100%. Nem todas as etapas do tratamento são usadas sempre. 

Quais medidas de controle ajudam a evitar a presença de Fusarium água potável? 

Como os fungos oportunistas, como do gênero Fusarium,  violam o paradigma das bactérias indicadoras fecais tradicionais, precisamos avaliar novas estratégias para a sua detecção e monitoramento. Abaixo listamos algumas medidas para ajudar no monitoramento desses microrganismos:

  • Reavaliar seu escopo de análises de água: a maioria dos escopos padrões não englobam o  gênero Fusarium. Converse com um especialista e realize a atualização do seu escopo de análises de água se necessário; 
  • Realizar um cronograma com análises mensais considerando pontos em que a água fica estagnada ou áreas com uso infrequente, bem como a suscetibilidade dos ocupantes aos riscos de exposição (por exemplo, unidades de terapia intensiva e unidades de hemodiálise). Além disso, é importante que o cronograma englobe o máximo de pontos críticos para serem analisados pelos menos dentro de um semestre;
  • Utilizar sistemas inteligentes de dosagem de cloro que apresentam leitores que medem constantemente  a concentração de cloro livre na água e assim mandam comandos para as bombas iniciarem ou interromperem a dosagem de cloro. Além disso, recomendamos utilizar o dióxido de cloro como biocida por demonstrar uma melhor penetração nos biofilmes formados em tubulações e reservatórios, segundo Nicholas F. Gray, 2014;
  • Realize a  limpeza de caixa d’água e higienização de reservatórios na periodicidade recomendada para remover partículas e incrustações nas superfícies internas dos reservatórios. Caso não removidas, esses particulados e incrustações favorecem o desenvolvimento de microrganismos e biofilmes. 

A MICROAMBIENTAL POSSUI UM CONJUNTO DE SERVIÇOS PARA MONITORAR A QUALIDADE DA ÁGUA:

A Microambiental é uma empresa com mais de 20 anos de experiência em controle microbiológico em água, inclusive realizamos análises de Fusarium. Dispomos de sistemas inteligentes de dosagem que utilizam o  dióxido de cloro como biocida visando controlar o desenvolvimento de biofilmes.  Além disso, contamos com uma equipe de atendimento técnico que presta assessoria aos clientes na resolução de não conformidades nas análises.





POSTS RELACIONADOS

Precisa de ajuda? Converse Conosco