fbpx
Trabalhe Conosco
Imagem Destacada

Entenda como funciona processo de desinfecção de água.

Falamos aqui no blog há um tempinho, no nosso post de “Como os Biofilmes influenciam na qualidade da sua água”, como a solução biocida (cloração) é importante no controle das bactérias de vida livre nos nossos sistemas de água. Hoje, vamos entender o que é essa solução biocida e como é necessário fazer a manutenção da quantidade certa nos sistemas de água. Vamos falar mais especificamente de um biocida que é amplamente utilizado no tratamento da água de consumo: o cloro.

Sistema inteligente de dosagem de cloro: Sistema interligado de bombas dosadoras.

O que é a solução biocida?  

Utilizamos o termo solução biocida para descrever de forma mais geral um determinado agente químico, de origem sintética ou natural, que é utilizado para controlar organismos considerados prejudiciais. Para o biocida ser considerado eficaz, ele deve, mesmo que utilizado em baixa concentração, persistir por um longo tempo após aplicação (teor residual) e ter uma toxicidade reduzida para os seres humanos.

Tipos de Biocida: 

Temos uma gama de biocidas disponíveis no mercado. Esses são caracterizados de acordo com seu caráter químico e são classificados em dois grandes grupos: 

  • Oxidantes: Tais como ozônio, peróxido de hidrogênio, compostos de cloro. 
  • Não-oxidantes: compostos sulfurados, estanho, sais de cobre, aldeídos, sais quaternários de amônio, dentre outros.

A importância da Cloração em sistemas de água: 

Nós adicionamos a solução de hipoclorito de sódio à água de consumo com o objetivo de gerar o cloro residual livre (na forma de acido hipocloroso) que vai combater a disseminação de doenças associadas aos microrganismos. O cloro é amplamente utilizado nos nossos sistemas de abastecimento de água por apresentar uma alta eficiência e características importantes para a manutenção da qualidade da água, tais como: 

  • É muito eficiente em inativar diversos microrganismos;
  • Assegura um teor residual mesmo após a sua aplicação;
  • Segurança de manuseio, estocagem e transporte;

Como falamos no tópico acima, o cloro é um forte agente oxidante. Isso quer dizer que ele consegue reagir com estruturas extremamente estáveis como lipídios (gordura). Isso é muito importante, porque, como falamos no nosso post sobre “Conheça as bactérias que podem estar presentes em sistemas de água”, as bactérias têm lipídios na composição de sua membrana. O cloro vai penetrar nas membranas celulares para interromper as reações bioquímicas e, assim, destruir os sistemas importantes para a reprodução destes microrganismos.

Quais níveis de cloro são aceitáveis para consumo?

Técnico utilizando um medidor de cloro (Clorímetro)

A PRC Nº 5, de 28 de setembro de 2017, Anexo XX, estabelece 0,2 mg/L como teor mínimo de cloro residual na água para consumo humano.

Ressaltamos que é necessário ter cautela quanto à concentração apropriada para aplicação.

  • Dosagens abaixo do nível necessário colabora para o desenvolvimento de bactérias na água, podem auxiliar na seleção de microrganismos, consequentemente pode gerar a ocorrência de surtos de contaminação;
  • Concentrações acima do necessário podem ocasionar cheiro e gosto desagradáveis na água, além da sua toxicidade à saúde.

Porque fazer a dosagem de cloro nos nossos sistemas de água para consumo humano?

A responsabilidade das Concessionárias sobre a qualidade da água termina no cavalete. A partir deste ponto, toda a responsabilidade sobre os controles de potabilidade passa a ser do estabelecimento consumidor. A grande problemática disto é que, principalmente em grandes edificações, os pontos mais distantes da rede têm uma perda natural dos teores de cloro residual em função da volatilidade, evaporação e decomposição do produto. 

Como garantir que a água está apropriada para consumo?

Além das características químicas que causam a perda natural do cloro, alterações da qualidade da água dos mananciais ou problemas nos sistemas públicos de abastecimento de água potável podem influenciar nas concentrações de cloro que chegam para o consumidor. Mesmo com essas particularidades, podemos controlar a concentração de cloro corretamente por duas ações:

  • Sistemas Inteligentes de Dosagem de Cloro:  Realizar o Monitoramento com sistemas automatizados de dosagem de cloro por Bombas Dosadoras permite o ajuste automático das concentrações de cloro sem grandes oscilações; 
  • Análises de água: A realização periódica de análises de água é uma ferramenta importantíssima. As análises de Cloro Livre permitem verificar se a quantidade de cloro residual está adequada na água, enquanto as análises microbiológicas identifica a presença das células bacterianas patogênicas (como o grupo Coliformes e a Escherichia coli) e potencialmente patogênicas (como a Legionella) de vida livre.  As análises de água são o ponto inicial para a tomada de ações corretivas.

Importante: Se lembra que falamos que o cloro é altamente reativo? O cloro reage com substâncias orgânicas naturais formar os trihalometanos (THMs). Em estudos de laboratório, THMs são conhecidos por danificar a glândula tireóide, causar tumores cancerosos e afetar o sistema nervoso, fígado e rins. Com base nisso além da manutenção da concentração adequada de biocida (cloração) na água por meio de sistemas de dosagem automáticos, recomendamos a  aplicação de sistemas que diminuem a quantidade de matéria orgânica na água como sistemas de filtração e a limpeza de caixas d’água e reservatórios com regularidade, para retardar ao máximo a formação de THMs.

Se você ainda tiver dúvidas ou sugestões, não hesite em enviar um e-mail para: marketing@microambiental.com.br

Está com problemas de contaminações microbiológicas na água? Entre em contato conosco e conheça nosso serviço de Cloração por Bombas Dosadoras que combatem os microrganismos, nossos consultores terão o prazer de ajudá-los.microambiental@microambiental.com.br





POSTS RELACIONADOS

Precisa de ajuda? Converse Conosco